Empresário e amigo de Cristiano Araújo, Rafael Vanucci concedeu uma entrevista para o “Prosa sertaneja”, no Youtube, e falou da briga entre o cantor e Gusttavo Lima. Segundo ele, Cristiano morreu em 2015 sem fazer as pazes com dono do hit “Tchê tchê tchê rê rê tchê tchê”.

“Eles sempre foram muito amigos, de frequentar a casa um do outro. O Gustavo participou do primeiro DVD do Cristiano solo, em Goiânia. Chegou um determinado momento que eles tiveram uma discussão, que eu não me lembro por qual motivo foi, se foi por causa de uma música… Eles tiveram uma discussão por WhatsApp. Mas nunca foram inimigos. Lembro que tivemos um encontro dos dois e vários artistas, que eu estava, e eles não se falaram. Acho que quando o Cris partiu, não me lembro de eles terem feito as pazes”, disse Rafal.

O empresário e filho da cantora Vanusa hoje cuida da carreira do irmão de Cristiano, Felipe Araújo, e conta que seu artista tem uma ótima relação com Gusttavo Lima.

“Gustavo e Cris tiveram um convive grande na noite de Goiânia, e foi uma discussão como outra qualquer. A maior prova disso é o Felipe Araújo, irmã do Cristiano, faz vários eventos com Gusttavo. O Gusttavo tem ajudado a carreira do Felipe”, disse.

Para Vanucci, Gusttavo e Cristiano nunca foram rivais: “Eram dois artistas jovens buscando o seu espaço constantemente. Aí o Gustavo brilhava sozinho naquele meio solo e chegou o Cristiano… Os dois eram concorrentes, mas nem por isso, um competia com o outro. Isso se tornou uma proporção muito maior do que era. Eles tiveram, sim, uma desavença, mas eu sabia que um dia que eles se encontrassem, iam fazer as pazes”.

Ele embra que Cris tinha muito carinho pelo cantor sertanejo: “O Cristiano tinha muito carinho pelo Gusttavo, e o admirava muito como artista. Da parte do Gusttavo, também tenho certeza que ele admirava o Cris. Tem uma cena que eu nunca esqueço, da morte do Cris: do Gusttavo sentado chorando na calçada na cidade que ele estava fazendo show. Claro que deve ter passado na cabeça dele: ‘porque eu não dei o último abraço'”.

A briga entre os dois foi retratada no livro “Onze mil horas – um fotógrafo em turnê com Cristiano Araújo”, escrito pelo fotógrafo Flaney Gonzallez. A obra lançada em 2016 conta que os dois mantinham uma boa relação de convivência até que um dia entraram em atrito, tiveram desentendimento e, subitamente, cortaram relações, parando de se falar. O livro, no entanto, não revelou o motivo da briga.