O casal Lana Maria Wigand e Arthur Felipe Wogram, ambos de 27 anos, descobriu a gravidez 19 dias antes de o bebê nascer, em Curitiba. O filho Gabriel veio ao mundo em 23 de abril, com 47 centímetros e três quilos.

Segundo eles, a gravidez foi totalmente inesperada, já que a Lana não teve nenhum sintoma de gestação. Além disso, ela estava com o ciclo menstrual regular e usava anticoncepcional.

Tudo começou quando ela foi a um gastroenterologista, com problemas de intestino preso. Ele a examinou e receitou um laxante para cólica intestinal. Lana pensou que os quatro quilos que tinha engordado era pelo fato de ter parado de treinar e por não estar cuidando muito bem da alimentação.

No dia 4 de abril, Lana resolveu procurar outro médico, dessa vez um ginecologista, isso porque o fluxo dela veio um pouco diferente, e durou apenas dois dias.

No meio do expediente de trabalho, ela saiu em horário de almoço para “resolver rapidinho” essa questão. Mal sabia ela que aquela consulta mudaria para sempre a sua vida.

Eu não ia à ginecologista há um ano, e como já tive cistos na adolescência, fiquei preocupada. Chegando lá, a médica foi apertando minha barriga e, espantada, falou que eu estava muito, mas muito grávida“, lembrou a mãe.

A cólica na verdade sempre foi o Gabriel se mexendo. A altura uterina dela media 32 centímetros, o que é compatível com oito meses gestação.

Conforme a médica ginecologista e obstetra Flavia Martins Vieira Bueno, como Lana sempre usou anticoncepcional oral com pausa curta, já costumava ter uma menstruação escassa. Então, o fluxo diminuiu e ela não percebeu a diferença. Foi se alarmar quando reduziu a quase zero nos últimos dois meses.

Lana é muito magra e sempre fez atividade física, com isso a forte musculatura abdominal fez com que o útero crescesse mas não estufasse pra fora da barriga. O bebê cresceu pressionando os órgãos internos, o que potencializou os sintomas de gases, azia, constipação intestinal. Ela se sentia muito estufada, mas não achava que era um útero gravídico, e sim gases“, explica a médica.

Ainda segundo Flávia, esses casos não são comuns, mas também não são tão raros. Ela diz ainda que sempre existem riscos nessa demora na descoberta, mas que isso muitas vezes é inevitável.