Para chegar ao parque Tom Riley, os moradores do distrito de Etobicoke, em Toronto, no Canadá, tinham de passar por uma barranco íngreme, o que frequentemente resultava em acidentes. Cansado de esperar por que a prefeitura tomasse uma atitude, o mecânico aposentado, Adi Astl, resolveu agir.

Ele conta que as pessoas estavam usando uma corda para subir e descer pelo atalho até o parque e que um de seus amigos já fraturou o pulso em uma queda.

A prefeitura havia encomendado um projeto para uma escada no local, orçado em $150.000,00, mas a demora e o valor absurdos fizeram com Astl, indignado, tomasse a frente. Ele conta que realizou uma vaquinha entre seus companheiros de jardinagem e que contratou um morador de rua para ajudá-lo na obra. Segundo Astl, o total gasto na escadaria de madeira foi de $550,00 e que levou apenas algumas horas para ser concluída.

O prefeito John Tory admitiu que as estimativas eram absurdas e afirmou que elas haviam sido feitas com base em obras de outros parques. Ele disse:

“Eu acredito que todos vão entender que isso vai custar mais de $550,00. Nós apenas não podemos ter pessoas saindo de casa e resolvendo construir escadas em parques porque isso é o que elas gostariam que houvesse lá.”

Fiscais da cidade bloquearam a escada com fitas e afirmaram que ela era insegura enquanto a prefeitura tomava providências definitivas. Apesar disso o conselheiro da área, Justin Di Ciano, disse que o local parecia mais seguro com as escadas do que sem elas. Ele afirmou:

“Eu acho que todos devemos ter um pouco de bom senso aqui.”

A moradora da área, Dana Beamon, afirmou que era melhor ter as escadas ali, mesmo que elas não estivessem de acordo com as exigências da prefeitura. Ela disse:

“Nós temos muita burocracia. Nós não temos muita iniciativa própria na nossa cidade, então eu estou impressionada.”

Após a polêmica, a prefeitura substituiu a escada de Astl por uma de concreto, atendendo as especificações do governo. O total da obra ficou em $10.000,00. Astl ainda brincou:

“Essa é fantástica, mas eu ainda acho que a minha era mais bonita.”

Fonte: jornaldacidadeonline.com.br